Confusões de uma alma apaixonada... Os seus maiores segredos e desejos...
24
Out 11

 

Como eu gostava de poder ser controlada por um homem.

Tipo, chegar a um bar ele me ver (eu topar é claro) e o homem não deixar de olhar para mim. Mas este homem seria diferente de todos eles. Decidido levantar-se-ís do seu lugar, dirigir-se-ía a mim e apresentar-se-ía a mim. Em vez de conversar, ou perguntar se queria alguma bebida, não... Ele não faria isso.

Apenas segurava a minha mão, puxava-me e levava-me fora desse bar, sem que eu dissesse alguma coisa aos meus amigos... Punha-me no carro dele e levar-meía à casa dele. Lá na casa dele, ficava a olhar para mimsem dizer uma única palavra, só e, a apenas a me despir com o olhar.

Eu olharia para ele e sem uma única palavra começaria a me despir. Lentamente, a fazê-lo sofrer para que aquela peça de roupa caísse mais depressa. Nua olharia para ele, como um convite a lhe proporcionar que ainda era o princípio de algo doido que iria acontecer.

Ele não viria com alguma pressa brutal de fazer sexo comigo. Apenas me rondaria, tipo, como a apreciar uma escultura da bela arte. Depois com as mãos começaria a tocar o meu corpo. Primeiro a cara. Suavemente percorria as mãos pela minha cara, como se fosse um cego e quisesse decorar através do toque dos dedos o toque da pele da minha cara.

Gentilmente ele sorria. As mãos dele já não percorriam a minha cara, percorriam os meus ombros, e devagar começou a descobrir que a "estátua" não era de mármore mas sim algo que se arrepiava e suspirava por mais pois ele já me estava a tocar no peito. Suavemente e muito devagar começou a passar as mãos pela minha barriga só que em vez de ir para onde eu queria, rondava à minha volta e tocar-meía nas costas como fosse uma pena. Pondo-me doida de desejo.

Só que agora é a vez dele. Eu parada veria ele despir-se. Também devagar, a dar um ar de tortura como se fosse muito chato estar a se despir. Nú olhar-me-ía apenas. Abraçava-me. E de repente comecei a sentir os beijos dele. Doces, quentes, suaves, de quem não tinha pressa de ir a algum lado.

E, sem pressas nenhumas, levar-me-ía ao colo até ao quarto. Suavemente me poria na cama e sem dar ares que iria fazer alguma coisa ele punha a boca dele no sitio em que eu já estava a desejar à já algum tempo. E sinceramente eu ficaria doida! Completamente excitadíssima! E, sem eu dar por isso me penetraria. Primeiro devagar, muito devagar, a apreciar o vulcão que estaria a flamejar, quente com a sua lava...

Mas depressa ele começaria dando um ar de, eu vou acabar, mas não. Isso ele não faria. Apenas faria isso constantemente dando-me um prazer inesquecível e a sentir que queria era mais. Muito mais. Ele de repente pararia e olhava para mim, como que a dar a entender que ainda muita coisa viria. Devagar saíria e quando entrava no quarto trazia um lenço de seda e me cobriria os olhos...

Lentamente começava tudo de novo... Ora mais lento, ora mais violento...

Escrito a 22 de Dezembro de 1996

(estou já cheia de calor só de pensar nesta fantasia!

publicado por Lady_Moon às 11:50
sinto-me:
tags:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Related Posts with Thumbnails
Posts mais comentados
7 comentários
2 comentários
1 cometário
1 cometário
1 cometário
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Está equilibrado
tá mal !!!!!!!!!!!!
Ficámos pelo meio meio, nem muito nem pouco beijad...
Então e este ano, muitos "beijos" ou nem por isso?
beijos por todo o lado, ficar só no tesão ui ui ui
É não é? ;)
É uma ideia :P
Isso é falta de incentivo para que a imaginação co...
Pois... A modos que a imaginação não anda fértil! ...
isto está um pouco abandonado :(
blogs SAPO